VOCÊ ESTÁ SE PREPARANDO PARA PERDER/REDUZIR A FUNCIONALIDADE DA COLUNA?

Você já sentiu ou tratou de alguém com dores na Lombar, né? Então esse post é para ajudar você, de maneira simples e fácil e entender.

Está cada vez mais comum viver mais em nossa sociedade. O avanço das áreas de saúde, o aumento da informação e ainda um melhor entendimento sobre qualidade em vida está deixando cada vez mais claro para a gente: é possível prolongar bastante a vida.

Envelhecer não é tão ruim, se considerarmos a alternativa.
Maurice Chevaiier

Está cada vez mais comum na sociedade e, claro, nas academias, o aumento no número de pessoas com idades bem acima dos 30.

Esse público atualmente já se apresenta como em maior número das academias e, se tudo seguir conforme o previsto pelos dados do IBGE e afins: tornar-se-á praticamente a totalidade do público de consumo em nossa sociedade.

Sobre a Coluna Lombar desse grupo:

É a partir dos 30 anos que cerca de 17% da população já apresenta doenças degenerativas na Coluna Lombar. Esse número tende a ir aumentando durante os anos de vida, podendo chegar a aproximadamente 100% da população acima de 80 anos apresentando essas patologias degenerativas.

Indivíduos com neuropatologias e redução de capacidade funcional, tendem a desenvolver maior área de POSTURAL SWAY, que é uma medida de deslocamento do centro de gravidade durante a posição estabilizada de pé.

São duas as características mais comuns, quando abordamos a funcionalidade da coluna, que mais tendem a prejudicar o indivíduo em situações das doenças degenerativas:

  1. Redução de força nos músculos do tronco.
  2. Maior desgaste físico e maiores compressões ao realizar tarefas simples.

A redução de força e o Desgaste Físico

A redução de força, não se sabe se é causa ou consequência dessas degenerações, cria um padrão alterado de ativação dos músculos do tronco.

Em exercícios físicos, ou ainda mais em atividades físicas do cotidiano como sentar e levantar com uma bolsa, o tronco fraco necessita de um maior esforço da musculatura extensora da coluna.

Essa musculatura, mais ativada, aumenta consideravelmente a compressão de discos e encurta a capacidade de movimento da coluna.

Nesses momentos de maior ativação dos músculos e necessidade de maior esforço, ocorre maior desgaste físico e também, por redução da velocidade nos ajustes musculares da coluna, uma maior possiblidade de quedas.

nota: provavelmente esse aumento da atividade muscular está também relacionada ao aumento do foco interno, quando o indivíduo precisa prestar muita atenção ao movimento proposto, o que torna a tarefa mais complexa e de difícil coordenação.

Exemplo de degeneração de disco intervertebral lombar, reduzindo a capacidade funcional e restringindo a amplitude de movimento da coluna.

Possíveis soluções terapêuticas

Alguns pontos precisam ser restabelecidos durante as intervenções terapêuticas:

  • Manutenção da estabilidade e equilíbrio postural.
  • Reintegração do sistema visual, com treino para os músculos e foco do globo ocular.
  • Estímulos proprioceptivos, aumentando a percepção do corpo no espaço.
  • Treino do sistema vestibular, com acelerações e perturbações do sistema.
O Padrão de Rolamento no solo pode ser uma grande ferramenta para devolver a funcionalidade da coluna.

É possível que uma abordagem mais natural, como caminhar descalço e reestabelecer a capacidade de “rolar” o corpo no solo, como também a adoção de exercícios físicos para o tronco como abdominais e flexões de braço, já possam devolver boa parte da funcionalidade da coluna e melhoria na qualidade em vida do indivíduo.

Obrigado pela leitura e, caso tenha dúvidas, estou disponível para trocarmos informações e aprendermos ainda mais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *