MENOS CARBOIDRATOS É MAIS SAÚDE

 Dietas de baixo carboidrato e ricas em gordura estão retornando ao topo dos assuntos nas academias. A intenção é, generalizando, conseguir uma “melhor forma” físico-Estética para se sentir bem, simplesmente. Então, vamos ao que interessa: Elas funcionam?

 Dietas com baixas quantidades de carboidratos e ricas em gordura têm se demonstrado ótimas aliadas para a redução de peso corporal em pessoas saudáveis e não saudáveis.

 Tendo isso em vista, NOAKES e WINDT buscaram uma revisão sobre o tema e publicaram o resultado desse estudo no BrJSM em 2016. Os resultados desse estudo?

 ?As dietas restritivas de Carboidrato mostraram-se mais eficientes que as não restritivas para a redução de peso corporal. E não só de peso corporal. Elas apresentaram ainda outros resultados superiores às em que o carboidrato era consumido à vontade:

?Redução de risco de doenças no aparelho coronariano

?Redução de medicamentos relacionados à resistência insulínica

?Diminuição de doenças de origem hepática gordurosa

?Aumento na concentração sanguínea de HDL-C

?Redução de Hba-1c em pacientes T2DM

 O que os resultados sugerem é que quanto maior a restrição de carboidratos, mais evidentes são os resultados. É isso NÃO significa passar fome, pelo contrário.

??Pessoas que fazem uma alimentação restritiva de carboidratos, acabam por se alimentar com mais proteínas e gorduras boas. Isso gera saciedade da fome e não compromete em nada os resultados. E, para que esses padrões alimentares consigam ser mantidos, duas etapas são importantes:

?Aumentar a saciedade sem aumentar a ingestão de carboidratos

?Acelere seu metabolismo através da alimentação

 Em outro post (comer antes do treino aumenta o gasto calórico) eu abordei um estudo que mostrava um aumento do gasto calórico equivalente quando ocorria ingestão pré exercício de carboidratos ou proteínas. Nesse caso, optar pelas proteínas é uma estratégia mais interessante. Esse resultado não será no curto prazo, 5 dias por ex., mas ao longo do período ele passará a exercer papel importante na quebra de gordura e na formação de energia usando a proteína como fonte.
Além disso, Westman e colaboradores encontraram ótimos resultados com pacientes diabéticos tipo 2, que seguiram planos alimentares baseados em duas características:

?? Muito Baixo Carboidratos e altas quantidades de gordura

?? Dieta do Baixo Índice Glicêmico

?Nos dois casos os resultados foram bastante positivos na redução de de HbA1c, na redução da dose da medicação diabética e até em cessar o uso desses medicamentos.

?Ah, e os resultados foram ainda mais positivos na dieta de Muito Baixo Carboidrato e Altas Quantidades de Gorduras.

 Se você tem resistência insulínica ou T2DM, essa pode ser um passo importante a ser dado.
??Comparando várias intervenções alimentares, vários tipos de dietas, todas elas funcionavam para a redução do peso e algum quadro de saúde. Porém, quando olhamos para as taxas do HDL-C (Colesterol bom) sanguíneo, elas aumentaram ainda mais quando a dieta era de baixo consumo de carboidrato.

 Além disso, as dietas de LOW-CARB, como são conhecidas, geraram uma maior redução do TG (triglicerídeos) e ainda reduz os riscos de Doenças do Aparelho Coronariano (Infarto, Trombose, AVC, Hipertensão Arterial e outras).

?E o que tem a ver a caloria não engordar?

?então vamos lá: as dietas isocalóricas (mesma quantidade de calorias) são mais eficientes na redução de peso corporal quando se restringe a quantidade dos carboidratos. Entendeu?

Você pode comer 1000kcal em dois tipos de refeição e com dois resultados diferentes. Basta que as calorias tenham como fonte proteínas e gorduras de alta qualidade.

Faça um teste: coma 2000kcal de doces e 2000kcal de proteínas. Os doces não saciarão sua fome e farão você engordar, já as calorias de fontes protéicas farão você emagrecer. ?

?E tem mais:

?As dietas Very Low-Carb e Low-Carb promovem uma maior estabilidade da Glicemia sanguínea, maior redução da Resistência Insulínica e ainda maior redução da gordura hepática.

Se você ainda quer mais razões

??7 razões para diminuir o consumo de Carboidratos!

1️⃣ Há relação direta entre o consumo aumentado de carboidratos e Doenças Cardiovasculares

2️⃣ O consumo de carboidratos, principalmente a frutose (tabela com índice de frutose de alimentos), aumentam as chances de doenças relacionadas à Gordura no Fígado

3️⃣ Aumenta as taxas do HDL-C e tende a diminuir o LDL sanguíneo

4️⃣ Aumenta as taxas de Ácido Pantotênico, importante para o sistema imunológico, controle de stress, produção hormonal entre outras funções

5️⃣ Diminui os fatores da Síndrome Metabólica

6️⃣ Diminui a Resistência Insulínica

7️⃣ Pode prevenir e ajudar no tratamento de acne,  câncer, alzheimer, ovário policístico e outros

Mas eu tentei e não me senti bem

 É  possível, na fase inicial de quem está se adaptando à dieta, sofrer de enxaquecas e cãibras. Isso pode estar relacionado à uma maior perda hídrica e de sódio, características dessa dieta. Porém esse quadro é típico da fase de adaptação  à dieta, com o passar dos dias esse quadro tende a cessar.

 Procure a orientação de um profissional habilitado e qualificado para te ajudar nessa etapa e não se esquece, A Força Salva!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: