COMO EVITAR LESÕES NA CORRIDA?

Além de explicar um pouco mais sobre mecanismos de lesão em corrida e ainda dou umas dicas no final sobre como evitar esses problemas. APROVEITE!

Um estudo recente publicado por Nunns, em Dezembro/2015, foram avaliados possíveis características biomecânicas de marcha que aumentariam a probabilidade de fratura por stress do tibial.

Para tornar a pesquisa mais adequada, 160 Marines Americanos selecionados como voluntários para a pesquisa. Desses, 150 sem lesões no tibial e outros dez, porém esses com avaliação de fratura por stress do tibial.

Alguns possíveis preditores Fratura por Stress do Tibial foram avaliados e, nesse comparativo entre lesionados e não lesionados, 4 fatores tiveram correlação estaticamente significante com esse risco aumentado: ?Body Mass Index ?Rotação Interna do Tibial ?Espessura do Bimalleolar ?Pressão Medial e Lateral do Calcanhar

Os resultados foram os seguintes:

?BMI

Aqueles com menor BMI sofreram lesões. Não é apenas o BMI alto, mas um BMI com mais massa livre de gordura. A razão pra isso é, possivelmente, a relação da massa muscular hipertrofiado é uma maior densidade mineral óssea.

Por conta disso os pesquisadores associaram uma menor BMI da panturrilha como fator que aumenta a predisposição à Fratura por Stress do Tibial. Pois tais associações levam a crer que esses Marines possuíam menor densidade óssea mineral do tibial, tornando-o menos resistente à microtraumas causadas pelo impacto.

?BIMALEOLAR

A largura bimaleolar parece ter papel de efeito nessa condição. Quanto mais fina essa regiso, maiores as chances de lesão. Possivelmente essa relação se dá pelo fato de uma estrutura menor ter uma menor área e sofrer uma pressão maior. Tal pressão reduziria a mobilidade e a capacidade de suportar movimentos de flexão.

?BIOMECÂNICA

Comparando os dois grupos, o grupo com menor rotação medial de tíbia durante a corrida foi o que apresentou maiores compressões no calcanhar durante a corrida. O autor cita que, por outro lado, há diversos estudos mostrando que umedecesse de rotação também parece como uma possível causa de Fratura por Stress do Tibial. Talvez essa diferença de amplitude seja causada pelo peso corporal, calçado, piso ou outra razão. É preciso avaliarmos cada caso de forma individualizada e buscarmos a melhor maneira de fazer a intervenção.

Uma passada onde o calcanhar faz o ataque não é a mais recomendável para saúde da tíbia. Tal característica gera um aumento de impacto no tibial e, como consequência, pode acarretar em lesões recorrentes no tecido ósseo e até fraturas por stress. O problema é que esse tipo de passada parece não ser percebido como perigoso por quem faz. Talvez essa falta de percepção seja causada pelo uso de calçado com amortecimento.

Quer testar? Experimente correr descalço! Você verá que terá um cuidado maior para não bater com o calcanhar no solo, pois os estudos mostraram que as pessoas que corriam descalços tendiam a mudar a técnica para correr de maneira na qual não sofriam maiores impactos na região calcânea.

?E O QUE ISSO SIGNIFICA?

Levando em conta que esse estudo tem a limitação de ser com público masculino, com maior massa magra e fisicamente ativos, esses parâmetros foram identificados como impactantes entre lesionados e não-lesionados.

Em outro público talvez essas características não se repitam, porém é preciso fazer uma avaliação mais individualizada de cada pessoa.

Por outro lado, esse estudo abre precedentes para que se tenha um ponto de partida para futuras análises e intervenções, afim de evitar lesões e períodos de inatividade  física.

?? A capacidade individual de amenizar o impacto no tibial parece ser o determinante para a suscetibilidade à Fratura por Stress do Tibial. E, para isso, é preciso adotar algumas estratégias para amenizar os fatores negativos:

?Realizar treinos de força

?Treinar mobilidade

?Treinar músculos estabilizadores do core

?Ter uma avaliação criteriosa da técnica de corrida

?Treinar e corrigir vícios de corrida

?Ter uma periodização adequada (eu treino com a www.instagram.com/soucmx )

 

Fonte: Four biomechanical and anthropometric measures predict tibial stress fracture: a prospective study of 1065 Royal Marines.

Michael Nunns, Carol House, Hannah Rice, Mohammod Mostazir, Trish Davey, Victoria Stiles, Joanne Fallowfield, Adrian Allsopp and Sharon Dixon

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: