Fast Food: do amor ao vício!

E se atrás da embalagem houvesse essa imagem?

  Aquela batata frita crocante, o copo com 500ml de refrigerante e um sanduíche, com alguns andares, repleto de queijos e carnes.

  Se você sentiu até o cheiro dessa refeição ao ler essa primeira frase, permaneça em alerta! Você pode estar viciado(a) e isso não tem nada bom!
  Presentes em nossa sociedade há algumas décadas, o fast food é ainda mais perigoso do que imaginávamos há alguns anos atrás. A cada dia que passa mais estudos mostram o quão grave é a proliferação desse padrão de produtos que, muitas vezes, ganham mais adeptos devido à sua praticidade e pelo apelo visual.

Um alimento pobre em nutrientes e abundante em sódio, carboidrato e gordura trans

  Para ir direto ao assunto, o padrão de comida de um fast food é pobre em nutrientes e rico em carboidratos e gorduras, como explica a Nutricionista Carla Tomé: “Além de possuir um alto valor calórico, grande quantidade de gordura trans e carboidratos simples, esses produtos não possuem as principais vitaminas necessárias a saúde, podendo provocar risco de doenças cardiovasculares, hipertensão arterial (devido a imensa quantidades de sódio contido neles) e um ganho de peso indesejado.”
  O que você também deveria saber é que esse tipo de alimentação causa, no cérebro, reações químicas muito próximas às de quando é consumida uma droga, como a Cocaína, por exemplo: Esse tipo de alimento, ao ser ingerido, é responsável pela liberação alguns neurotransmissores que dão a sensação de prazer à quem os ingere. Depois de algum tempo a pessoa precisará de uma quantidade cada vez maior para ter essa mesma sensação, gerando até mesmo uma compulsão por esse tipo de alimento.

A sociedade adoecida e viciada
  Pelo que parece, há muita semelhança entre a obesidade causada pela compulsão alimentar (associada a outros fatores) e a dependência por drogas. Esse assunto ainda vai evoluir muito nos próximos anos e eu quero acreditar que, para o bem da saúde da população, os governos agissem com rigor para diminuir cada vez mais esse mal. Caso nada seja feito, provavelmente teremos clínicas especializadas para recuperação de viciados em fast food, e não é um exagero pensar nessa hipótese!
    É, seria interessante você pensar duas vezes antes de pedir o próximo lanche, concorda?
(Esse site tem apenas a finalidade de informar. Aqui não há prescrição de treino, dieta ou uso de medicamentos/suplementos.)

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: